Respuesta a: Refrescamiento de Sangre ¿Mito o realidad?

#5397
Hugo Sant’ana
Invitado

O meu plantel tem cerca de 40 casais, são 80 reprodutores.
Nos desde 2013 quando comecei a trabalhar com alguma consanguinidade para conseguir selecionar ainda melhor as minhas aves se exposição, talvez tenha adquirido 5 aves.

Eu não uso diretamente a tabela de felch, não cruzo pais com filhos nem irmãos mas cruzo sobrinhos com tios e à 5ta geração volto sempre ao ancestral que lhes deu origem. Como tenho muitos casais consigo ter várias linhas e andar para a frente e para trás nas linhas e cruzar entre linhas.

Este ano cruzei duas linhas completamente diferentes que já deram aves de 94 pontos e o resultado foi fantástico ou está a ser até agora.

No próximo ano tenho de usar uma ave de fora nesta nova linha é quando digo de fora pode ser de fora das duas linhas mas dentro do plantel.

A consanguinidade é o fator mais importante na seleção de características, sem ela não temos nem linhas de trabalho nem conseguimos selecionar nada, ficamos à mercê da variabilidade genética e podemos tirar um pássaro bom de vez em quando mas dificilmente o conseguimos repetir. Ou conseguimos ter 2 ou 3 passaros idênticos.

Quando vemos criadores de canários a expor, vemos claramente este trabalho de seleção, aves todas iguais e que facilmente dizemos que são exemplares deste ou daquele criador. Isto é trabalhar!

Quando falamos de sangue novo, estamos sempre a falar em aproveitar ao máximo o trabalho de outro criador que naturalmente esteve a fazer um trabalho idêntico ao criar linhas dele. Assim com adquirimos uma ave, sabemos o que estamos a por dentro do nosso aviário e qual é a importância desta ave, o que nos vai trazer de novo.

Sangue novo nunca quer dizer ir buscar aves à natureza ou a criadores que não estejam a trabalhar as suas aves, isso seria desastroso e podia acabar com todo o nosso trabalho de seleção realizado até então.

Obrigado